VOL. 01 - NOITE 05

Aproveitando a janela no céu


OBJETIVO: Aumentar o acervo de imagens, tentar ir até a Ponte de Pedra

PONTOS DE ATENÇÃO: Tempo muito instável

 

Antes de ir para Minas, ao olhar a previsão, verifiquei que o tempo fecharia, cada vez mais, ao longo dos dias. Assim, estando na quinta noite, o tempo já vinha fechando e chuviscando ao longo do dia, mas felizmente já havia realizado as incursões mais radicais. Penso apenas naquela hora mágica entre 2:30 e 4:00 da madrugada em que pelo menos por alguns minutos se pode ver a Via-Látea. Tendo isto em mente, a idéia é ficar de plantão, aguardando a tal janela. Não há garantias, mas dormir apenas porque o tempo fechou não me parece uma boa opção. A essa altura, corpo e a mente já se acostumaram a esta rotina, e a sensação é de que algo sempre estará lá para ser captado, bastando saber ler os elementos e atravessar sensações e pensamentos contrários à busca.

21:30hs - Chego no Parque debaixo de chuva e fico no carro, fazendo hora.

22:15hs - A chuva pára e agora estou perto do carro, comendo alguma coisa e avaliando a situação. Ainda considero ir para a Ponte de Pedra, um dos lugares que  pretendia explorar neste projeto, mas que só valerá a pena se o tempo firmar.
 Um guarda-florestal se aproxima, conversamos bastante, ele me contando estórias do Parque e de outros que ali estiveram, fazendo trabalhos similares ao meu.   Também conto alguns "causos" de outras viagens. Ele insiste em me contar sobre acidentes recentes, como o de uma mulher que caiu na área da Ponte de Pedra há uns meses.

 

 

 

 

Começa a chuviscar, nos despedimos e ele parte para terminar sua ronda, pois, ali ao lado, há um grande grupo da Marinha acampado, confraternizando e ele espera que todos se recolham.

 

Estou há vários dias sem conversar muito e esse guarda aparece falando tanto sobre a Ponte de Pedra que, considerando a chuva que  já vai voltando, decido não descer até lá e relaxo. Entro no carro e acabo adormecendo, agora sob forte chuva.


02:40hs - Depois de cair num sono profundo,  acordo me sentindo, ainda, como se estivesse dopado. O frio é intenso, com esforço abro os olhos, apoiando a cabeça no vidro, mas não enxergo nada. Ao abrir a janela, uma rajada de vento parece cortar meu rosto e entre os galhos, de uma forma incrível, vejo a Via Látea, exuberante! Demoro uns 20 minutos, para poder me mover de forma produtiva, pego a tralha e saio do carro.


Caminho até o ponto de onde as diversas trilhas irradiam e noto que aquela será uma breve janela. Tudo está úmido e fechado em várias direções. Olho pra cima e numa enorme clareira, entre as nuvens ... está a Via Látea! Precisando  ser rápido, ando até uma árvore já marcada  mentalmente em dia anterior e aproveito para fazer uma sequência "dela", com as estrelas desfocadas. A árvore está com "barba de velho" nos galhos, representando bem a flora local.


4:00hs - Após uma espera muito fria e regada a energético e chocolate, termino de capturar a sequência. Fico bem feliz porque toda a espera e as decisões quase me levaram a riscar da lista uma sequência que ansiava  tanto fazer. Em minutos começa a chover novamente!


5:10hs - Chego na pensão. Boa noite!

 

2017 © por Gustavo Massola