VOL. 01 - NOITE 03

Fora do Parque


OBJETIVO: Aumentar o acervo de imagens

PONTOS DE ATENÇÃO
: Indefinido

 

18:30hs - Pôr do sol, tempo fechou geral, estou no quarto na pensão e da janela não avisto as montanhas do Parque, o teto está baixo, a Vila dentro de uma nuvem úmida. Permaneço no quarto, editando, até ser dominado por um sono incontrolável, um cansaço causado pela inversão horária da rotina.

23:00hs - Acordo, abro a janela do quarto e dali mesmo vejo a galáxia. Examino o quarto, o equipamento um pouco espalhado, a roupa de trilha molhada ... Lá fora, um frio intenso, dentro de mim, um sono enorme. Conclusão: me arrumo com muita calma e cuidado para nao ter nenhum problema, lá no meio do mato e parto para a tarefa do dia.

23:50hs - Chego na portaria do Parque, não tem ninguém,  insisto com farol alto e assobios, sem resultado. Desisto de entrar, mas não de  produzir o que programei.
A estradinha de acesso ao parque está deserta e escura, volto devagar, com a cabeça para fora da janela do carro, olhando pra cima e em volta.

00:30hs - Depois de circular um pouco, encontro um ponto favorável ao meu objetivo. De um determinado ângulo há elementos compatiíveis com o que venho produzindo. Dali se avista uma massa de galhos semelhante à flora do Parque e num ponto bem escuro.

 

 

Estaciono e armo tudo, sem o slider motorizado porque, neste ponto,  há presença humana e, sendo madrugada e armando o equipamento mais complexo, ficaria vulnerável, sendo  impossível uma retirada rápida. Começo a capturar a sequência: a espera é um misto de relaxamento e contemplação com alguma tensão. Estava um pouco exposto demais no meio da estrada, bem diferente do Parque, onde devo estar atento a vários fatores, mas sem risco de alguém "aparecer". Fiquei deitado na estrada, olhando o céu e com minha faca na cintura, herança do meu sogro, de seus tempos de velejador, "just in case"...

01:50hs - Termino de capturar uma única sequência que, apesar da falta de movimento, ficou linda e está na peça final, a única feita fora do parque.
Desarmo tudo e volto para a Vila, o tempo fecha novamente. Uma sequência com estrelas a menos na lista de pendência! Ainda mais que, como sempre, era impossível prever se  haveria aquele céu na manhã seguinte. Assim, essa imersão, embora breve, foi bem frutífera.

 

 

 

2017 © por Gustavo Massola